Inovações que vão mudar o mundo

0
0
1
s2smodern

2017 foi um ano difícil, com alguns marcos importantes, mas há muita coisa boa que começou a ser desenvolvida e que nos vai maravilhar este ano. Afinal, não é para isso que a tecnologia serve? Vamos conhecer alguns exemplos?

Um pedaço de papel que ajuda a diagnosticar doenças

Esta engenhoca de papel, que tem um custo de produção de apenas 20 cêntimos, pode ajudar cientistas e doutores a diagnosticar doenças como a malária e a SIDA, em apenas pouco minutos. A melhor parte? Não depende de eletricidade!

O Paperfuge foi desenvolvido por um professor assistente da Universidade de Stanford, nos EUA. O bioengenheiro Manu Prakash inspirou-se em brinquedos de papel. Este dispositivo pode armazenar amostras de sangue num disco e, ao puxar as cordas para trás e para a frente, faz girar as amostras numa velocidade tão grande que permite separar o sangue do plasma, preparando-o para fazer testes de algumas doenças. 

Esta invenção pode revolucionar algumas áreas rurais dos países em desenvolvimento, e salvar vidas no processo.

Um bot do Facebook que traduz mensagens para refugiados

Tarjimly  é um bot tradutor do Facebook que liga refugiados a tradutoresa voluntários, onde quer que estejam no mundo. Quando precisam de falar médicos, especialistas em recrutamento, representantes legais ou outros serviços, os utilizadores podem usar o poder do Facebook Messenger para aceder a informação em tempo real, que potencialmente salvará vidas. 

Ambulâncias-taxi na Tanzânia

A Vodafone desenvolveu um programa de táxi ambulância numa zona rural da Tanzânia, baseado em telemóveis. O programa ajuda mulheres grávidas em situações de emergência médicas. através da marcação de um número de telefone específico, através do qual profissionais de saúde estabelecem ligação com taxistas avaliados, que poderão levar estas mulheres rapidamente a clínicas onde existem poucas ambulâncias disponíveis. 

Os motoristas são pagos pela empresa de comunicações móveis M-Pesa, por isso é grátis ligar para estes números. 

Uma app que te põe a mexer - e ajuda outras crianças

A aplicação UNICEF Kid Power app é uma aplicação desta fundação que promove o exercício físico e a solidariedade. Os passos diários são convertidos em alimentação para crianças subnutridas de países em desenvolvimento. A app conta os teus passos e, a cada 2500 passos ganhas um ponto e desbloqueias um kit de comida terapêutica que a própria UNICEF e os seus patrocinadores se encarregam de entregar a uma criança com graves problemas de nutrição.   

Marcações: Valores, EUA , Tecnologia, Mundo, Telemóveis, Computador, Engenharia

0
0
1
s2smodern

Últimas Notícias

  • Como serão os raios-x de animais?

    Como serão os raios-x de animais?

    As imagens que vais ver a seguir consistem em radiografias que foram feitas pelo pessoal do Jardim Zoológico de Oregon, nos EUA, como parte dos exames de rotina aos animais que lá vivem. Como podes comprovar abaixo, além de reveladores — do ponto de vista científico e veterinário —, as imagens são mesmo fascinantes. 

  • 4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    A Festa do Cinema decorre até ao dia 24 de outubro (quarta-feira), com mais de 10 mil sessões em todo o país. Parece muito? Não sabes por onde começar? Nós damos uma ajuda. 

  • Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    As contradições da vida moderna encontram na obra de Pawel Kuczynski um lugar de destaque. Os temas que o artista aborda nos seus desenhos giram em torno da relação da humanidade com o mundo que a cerca — desde o vício das redes sociais às estratégias da TV para fisgar a audiência. 

  • 15 Factos matemáticos divertidos

    15 Factos matemáticos divertidos

    Quem disse que a Matemática é uma seca, não leu este artigo!

  • Filmes que Desafiam:

    Filmes que Desafiam: "Capitão Fantástico"

    O filme desta semana fala-nos da importância da família e da importância que as coisas simples tem na nossa vida. 

  • Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Um grupo de investigadores da Universidade de RMIT, na Austrália, criou um tipo de letra – a Sans Forgetica, e garante que a mesma é capaz de aumentar a capacidade de memorização.

  • Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Não adianta negar: um dos maiores pesadelos dos alunos são os trabalhos de casa. Muitas vezes questionam-se porque é que devem estudar ainda mais do que já estudam na escola, e ainda que esses questionamentos deem lugar à aceitação (ou quase) na adolescência e na fase adulta, a verdade é que sempre temos que rever em casa o conteúdo lecionado durante o dia.

  • As marcas mais poderosas do mundo

    As marcas mais poderosas do mundo

    A Interbrand é uma importante consultora de marcas e todos os anos avalia as marcas mais poderosas. Já é conhecida a lista deste ano, sabes quais são?

  • Porquê adotar um cão?

    Porquê adotar um cão?

    São cada vez mais os adeptos da adoção de cães em vez de compra. Para além de "salvar" a vida do companheiro de 4 patas, o custo é irrisório quando comparado aos preços praticados por lojas de animais. 

  • Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    O Evangelho desta semana conta-nos uma história que te deve ser conhecida.

  • #respectbattles - a música como

    #respectbattles - a música como "arma" do respeito

    Podemos não concordar com os pontos de vistam, com as opções de vida que algumas pessoas ao nosso redor tomam. Mas se há algo que é obrigatório (e que vemos a desvanecer-se aos poucos) é o respeito pelo outro. A APAV não ficou indiferente e criou uma campanha original.

  • Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Se há algo muito debatido nos dias de hoje, são as regras de beleza, às quais muitos tentam corresponder. Mas sabias que nem sempre foi assim?