Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Qual é o teu tipo de passada?

0
0
0
s2sdefault

Já deves ter reparado que nas lojas de desporto as sapatilhas começam a estar organizadas pelo tipo de passada. Pesquisámos um pouco e explicamos-te do que se trata.

Já reparaste se tens os sapatos desgastados de um lado? Ou reparaste se uma pessoa pisa corretamente,  mais para dentro, ou para fora? Cada pessoa tem uma passada diferente, o que está relacionado com vários fatores, entre eles a forma que aprendemos e nos habituamos a andar. Isto tem a ver com os primeiros passos dados em criança. É uma questão ortopédica. Em casos mais extremos, a pessoa pode chegar a ter dores nos joelhos, tornozelos e coluna.

Segundo Felipe Joaquim Morais, treinador de corrida e consultor da farmácia online Netfarma, é importante conhecer o nosso tipo de passada, pois isso ajuda noutros aspetos, como na hora da compra do calçado correto. Usar um calçado desadequado pode causar dores musculares e até lesões nos joelhos e tornozelos, especialmente em quem pisa de forma incorreta, explica.

As características anatómicas de cada indivíduo determinam o tipo de passada. A forma como pisamos está relacionada aos tipos de pés, joelhos e flexibilidade nas articulações. Cada pessoa pisa de uma maneira, mas costuma-se generalizar em três tipos, revela Joaquim.

Imagem relacionada

Fonte: Medicina Deportiva Cancun

 Como podes ver pela imagem, uma passada neutra implica que o pé utilize o lado externo do calcanhar para apoiar-se, movendo levemente para dentro seguindo uma linha reta até o dedo grande. O estilo de passada pronada é o tipo de passada qeue leva à parte interna do pé a tocar primeiro no chão. A cada passo o pé ganha impulso por meio do dedo grande. No estilo supinador, o pé toca no chão usando primeiramente o lado externo do calcanhar. O impulso para o próximo passo é realizado através do dedo mais pequeno.

 Calos, bolhas, tendinites e joanetes podem ser motivados pelo tipo de passada. O ortopedista é o especialista que pode ser consultado para identificar e tratar este tipo de problema. Palmilhas ortopédicas só devem ser usadas por indicação médica.

Ao conhecers o teu tipo de passada, poderás comprar sapatilhas de que ajudem a corrigir esse problema.

 

Marcações: Saúde , Pessoas, Pés, Bem-estar, Passada, Sapatos

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.