Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

A Internet: mitos e verdades!

0
0
0
s2sdefault

A Internet é o meio de comunicação mais usado no mundo. Com quase 20 anos de existência, revolucionou a comunicação entre as pessoas, como outrora, a imprensa, o telefone ou a rádio. Atualmente, pode-se jogar, conversar, trocar músicas, fotos ou filmes com todo o mundo, sem se sair do quarto. Basta um clique. A propósito da Internet fazemos cinco perguntas e damos uma breve resposta.

Controlar os conteúdos

Existe uma rede mundial sem fronteiras, que é incontrolável. Quando nasceu, os utilizadores tinham uma espécie de código de boa conduta. Mas hoje é impossível controlar os conteúdos.
Seriam necessários mais de 10 milhões de CD's para armazenar toda a informação que, cada segundo, circula na Internet.

Será tudo verdadeiro?

O facto de estar escrito na Internet não significa que seja verdade. De facto, nela há muitas mentiras, meias-verdades, boatos, contra-informações… Perante uma informação, a primeira coisa a fazer é duvidar. Por exemplo, não acreditar facilmente nas informações que se procuram na Wikipédia. Esta famosa enciclopédia nem sempre é elaborada por especialistas. (mas podes confiar em nós!)

Pode enriquecer-se com ela?

Na Internet uma boa ideia pode tornar-se muito rentável. Um exemplo: o motor de pesquisa Google. Quando dois estudantes americanos o criaram, em 1998, não era senão uma pequena empresa que funcionava numa garagem. Dez anos depois, o Google vale mais de 210 mil milhões de dólares e os seus lucros aumentam 50% por ano graças à publicidade.

Como será amanhã?

A Internet ainda não terminou. Depois da segunda geração interativa (o internauta age e participa), está a chegar a terceira geração de estarmos ligados em rede. Há ainda quem fale de uma quarta geração, em que todos os processos da nossa vida estão automatizados. 

Haverá leis a cumprir?

É certo que a Internet é incontrolável. Mas quem a utiliza sabe que nem tudo é conveniente. Existe liberdade de expressão, mas a lei proíbe as calúnias, os insultos, os incitamentos à violência, a revelação da vida privada das pessoas. Cada qual, ao utilizar a Internet, deve sentir-se responsável, por exemplo, pelos textos, fotos ou vídeo que lá coloca.

Marcações: Internet, Tecnologia, Computador, Google

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.