Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

As cores da Quaresma

0
0
0
s2sdefault

Na quaresma a cor litúrgica predominante é o roxo. Mas também se usa o rosa. E porque é que nas festas se usa o branco? Quantas cores há na liturgia afinal?

Os primeiros cristãos não usavam cores precisas para as celebrações. A primeira vez que se refere uma cor usada especificamente na celebração é num escrito do sec. IV que diz que os sacerdotes usavam uma veste cândida para celebrar a Ceia do Senhor.

De facto, o branco sempre foi a cor preferencial da liturgia por fazer lembrar a veste dos mártires (cf. Ap 6, 11), a virtude da pureza e a santidade de vida e costumes. A partir do sec. IX começou-se a usar outras cores e somente em 1173 o Papa Inocêncio III define o cânone das cores litúrgicas. São Pio V, em 1570, define que na liturgia se podiam usar somente o branco, o vermelho, o verde, o preto, o roxo e o rosa com normas fixas acerca dos dias específicos para cada cor.

O roxo passou a ser, então, a cor predominante na quaresma. Usa-se esta cortodos os dias da quaresma exceto no quarto domingo e nas solenidades que normalmente acontecem neste tempo – São José e a Anunciação do Senhor.

Não é fácil saber os motivos da escolha do roxo para os tempos de penitência e de luto mas a mais provável é ser uma influência dos romanos que usavam esta cor para um antigo ritual de expiação das más ações, o ver sacrum. É também usado por ser uma cor sóbria, que não chama à atenção, como deve ser o tempo da quaresma.

No quarto domingo da quaresma a liturgia veste-se duma cor diferente: o rosa. Isto acontece porque aquele domingo é uma espécie de paragem nas boxes durante a quaresma. A Igreja diz-nos com isso que ainda não é Páscoa, mas que está quase a ser… o rosa, de facto, é a mistura do roxo (da penitência quaresmal) como branco (da festa pascal).

As cores litúrgicas são, sobretudo, litúrgicas. Isto quer dizer que não é necessário os cristãos andarem vestidos conforme as cores do tempo (ou passaríamos a maior parte do ano vestidos de verde…) nem que outras coisas tenham de ter essa cor. Ás vezes vê-se na igreja que almofadas, cortinas, véus e outros objetos mudam de cor conforme o tempo e isso não é necessário. A cor litúrgica serve para que a celebração assuma o tom próprio do tempo!

 

corquaresma

Marcações: Valores, Jesus , Mensagem, Quaresma, Cores, Padres

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.