Afinal, o que é o fascismo?

0
0
1
s2smodern

Estamos numa altura em que as palavras, escritas ou faladas, quase que não tem peso. Nos últimos tempos a palavra "fascismo" tem sido palavra de ordem nos jornais e nas redes sociais. Porém, embora muitos empreguem o termo sem medo de serem felizes, a verdade é que tal conceito é mais complexo do que se imagina — tanto que diversos estudiosos, professores e escritores debatem há anos uma forma apropriada de descrever esse tipo de atitude política.

 

Geralmente, falar sobre fascismo cria uma imagem de líderes autoritários que assumiram o poder no século XX, incluindo o italiano Benito Mussolini, o espanhol Francisco Franco, o argentino Juan Perón, Salazar em Portugal e — claro, por último, mas não menos importante — o austríaco Adolf Hitler, que comandou a Alemanha entre 1934 e 1945. Todos eles possuem algumas características em comum que podem ajudar-nos a entender o fascismo.

De acordo com Robert Paxton, professor de ciências sociais da Universidade de Columbia e um dos maiores estudiosos sobre este assunto, o fascismo pode ser definido como “uma forma prática de política própria da década de 20 que desperta o entusiasmo popular através de sofisticadas técnicas de propaganda para uma agenda anti-liberal, anti-socialista, violentamente exclusiva e nacionalmente expansionista”. Outras definições, de acordo com este professor,  dependem de documentos produzidos por Mussolini, Hitler, entre outros. 

Apesar da dificuldade em definir o fascismo, todos os movimentos que se enquadrem neste perfil partilham algumas características em comum que nos ajudam a identificá-los.

A política cinematográfica

Paxton afirma que o núcleo, o lema do fascismo é tornar uma nação mais forte, mais poderosa, maior e bem-sucedida. Os líderes fascistas vem o poder como a única coisa que pode tornar uma nação “boa”, e passam a empregar todos os meios — inclusive violentos — para atingir tal objetivo. E é precisamente esse nacionalismo exacerbado que costuma fazer com que regimes fascistas adotem práticas similares.

O professor norte-americano ressalva que, para ganhar a simpatia do povo, líderes fascistas investem em propaganda e grandes gestos, como entradas dramáticas e desfiles praticamente cinematográficos. Além disso, os fascistas têm o costume de demonizar outros grupos políticos, sociais, culturais ou religiosos (tal como Hitler diabolizou os judeus e Mussolini os bolcheviques).

Regra geral, o fascismo aproveita-se mais dos sentimentos do que de ideias filosóficas. Num dos seus livros, Paxton descreve algumas crenças que defendem a mobilização fascista, como a ideia de que um determinado grupo social é uma vítima, a adoração suprema de um “líder” (que geralmente é do sexo masculino) e a objeção ao individualismo e ao liberalismo, que são encarados como fatores de decadência para a sociedade.

Uma vez no poder, “ditadores fascistas sufocam liberdades individuais, prendem os oponentes, proíbem greves, autorizam o uso ilimitado de força policial em nome da união nacional e cometem agressões militares”, destaca Paxton.

O fascismo ainda existe?

Mesmo tendo estudado o fascismo ao longo de toda a sua vida, Paxton afirma que é difícil encontrar uma definição universal para o termo, visto que cada regime adota características próprias do seu país. O professor afirma que, embora o fascismo “tradicional” tenha desaparecido ao longo dos últimos anos, os seus resquícios ainda podem ser observados noutros tipos de regimes e movimentos políticos, mesmo que em menor escala.

Marcações: Valores, Política, democracia, Eleições, Fascismo

0
0
1
s2smodern

Últimas Notícias

  • Escuta, Arrisca e ... Aventura-te!

    Escuta, Arrisca e ... Aventura-te!

    Depois de ter passado uma noite em oração e de ter escolhido os doze, Jesus encontra agora dois grupos de pessoas: numerosos discípulos e uma grande multidão. A multidão sente-se desorientada e procura Jesus por dois motivos: quer ouvir a sua Palavra e ser curada dos seus males.

  • "Tolkien": Uma viagem pela mente do criador de "O Senhor dos Anéis"

    A pergunta mais velha do mundo que se faz a qualquer mente criativa é: "Como é que surgiu esta ideia?". Pois este ano vamos poder conhecer uma das mais brilhantes mentes do século XX. 

  • Música: porque gostamos tanto dela?

    Música: porque gostamos tanto dela?

    Independentemente do teu estilo musical favorito, com uma coisa podemos concordar: ouvir música faz bem e deixa-nos felizes. Companheira de viagens, caminhadas e, para os mais sortudos, presente também na hora do trabalho, a música é algo que tem a capacidade de melhorar o nosso humor e, inclusive, fazer com que a nossa concentração melhore, mas já te perguntaste como é que isto é possível?

  • Will Smith em tons de azul - o novo trailer de

    Will Smith em tons de azul - o novo trailer de "Aladdin"

    Durante  a cerimónia dos Grammys 2019 foi divulgado um novo trailer do remake do filme "Aladdin" da Disney. 

  • Grammys: a noite em que o rap foi estrela

    Grammys: a noite em que o rap foi estrela

    Ontem à noite decorreu a 61ª edição dos prémios Grammy, que distingue o que de melhor se fez na música no ano que passou.

  • Escuta, Arrisca e ... Confia!

    Escuta, Arrisca e ... Confia!

    No Evangelho deste Domingo, Pedro tem um gesto de confiança: Pela tua palavra, porque és Tu a dizê-lo, para Te dar um prazer, por Ti … lanço as redes.

  • O capitalismo: O que é?

    O capitalismo: O que é?

    Provavelmente já ouviste algumas pessoas falarem sobre esta coisa chamada capitalismo. Se já ouviste os teus pais a reclamar sobre o capitalismo ou algum dos teus professores a abordar este assunto, hoje explicamos-te este tema de uma forma simples. 

  • Dia dos Namorados: 10 canções para dedicar

    Dia dos Namorados: 10 canções para dedicar

    Quer estejas a planear algo especial com o teu namorado(a) ou um jantar com as amigas, aqui vão algumas ideias.

  • Escuta, Arrisca e ... Conhece!

    Escuta, Arrisca e ... Conhece!

    Jesus está no início da sua vida pública. Na sinagoga de Nazaré lê uma citação do profeta Isaías e actualiza-a, aplicando o conteúdo da profecia a si mesmo e à sua missão.

  • A ansiedade nas palavras deles

    A ansiedade nas palavras deles

    Tem sido crescente a atenção dos media para as questões relacionadas com a saúde mental. Também algumas figuras públicas aproveitam o espaço que lhes é dado para falar destas questões e como as ultrapassaram. 

  • Porque é que os casais dão as mãos?

    Porque é que os casais dão as mãos?

    Quer estejas a ver um filme, a caminhar na rua, ou simplesmente dar uma volta, não há nada mais inato do que o ato de dar as mãos. Mas porque é que fazemos isso?  Há algo mais para além do conforto de estar com o teu mais que tudo?

  • O #10YEARCHALLENGE que vale a pena ver!

    O #10YEARCHALLENGE que vale a pena ver!

    Toda a gente nas redes sociais participou no “Desafio dos 10 Anos”, a brincadeira que, basicamente, consiste em partilhar uma foto atual ao lado de uma de há 10 anos atrás para mostrar o quanto ou o quão pouco mudamos ao longo da última década, certo?