Estar "offline": 3 Atitudes para se ter com as redes sociais

0
0
1
s2smodern

Mal nos lembramos de como era a vida sem internet, mas ainda dá para lembrar como funcionava a vida sem os smartphones — esses maravilhosos aparelhos que rapidamente tornaram-se parte essencial da nossa sobrevivência. 

 

O deslizar dos dedos para acompanhar a atualização do feed, o saber quantos "gostos" tem a foto que acabaste de colocar ou ficar a par do conversa de grupo no Messenger é um vício que parece não ter fim. 

Qual efeito desta e de tantas outras enxurradas de informação trazem para a tua vida? Trazem algum tipo de benefício? Ou servem apenas para alimentar um comportamento que chega a ser um vício?

Este ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS), na sua última atualização da classificação internacional de doenças (CID), classificou o vício em videojogos no leque de perturbações e transtornos mentais incapacitantes. Contudo, os jogos não são os únicos que apresentam perigos na nossa rotina. 

São as técnicas de persuasão, desafios e motivação que nos envolvem. Tudo é pensado para que voltes e repitas as mesmas ações, diversas vezes. A gamificação atrai de tal forma que, segundo uma pesquisa realizada pela PEW Research Center, 25% dos americanos diz-se estar onle permanentemente. Ansiedade, stress, insónia e depressão são temas que intensificam este tipo de comportamento, sem grandes surpresas.

Um pequeno estudo, realizado pela publicação Science Alert, monitorizou 50 pessoas que por escolha própria não possuem telemóvel ou qualquer acesso a redes sociais — alguns até se recusam a enviar emails. O intuito seria o de reconhecer os benefícios de se manter offline. E o que podemos aprender com eles?

1. Vantagens de passar mais tempo com as pessoas

Para os participantes, parte do problema sobre as trocas que acontecem nas plataformas sociais são os rastos que ficam armazenados em forma de dados para serem utilizados em ações de marketing por diversas empresas.

Disseram ainda que acreditam mais no contacto pessoal: toque, expressões e trocas que acontecem no mesmo espaço físico ao contrário de uma ligação remota, visto que fortalecem o lado humano e valorizam os laços sociais.

Segundo os entrevistados, toda a sociedade pode beneficiar de uma atenção mais profunda e relações estabelecidas sem pressas. Para essas pessoas que não usam smartphones ou redes sociais, o tempo gasto com outros indivíduos é associado a uma sensação de calma e bem-estar, que dá um sentido à vida.

2. Desligar não implica estar desatualizado

Apesar do vazio e do princípio de ansiedade ao optar por permanecer offline, a sensação de liberdade oferecida por esta escolha mostrou-se muito prazerosa para os inquiridos. Prestar mais atenção ao meio envolvente e ficar livre da exaustiva e trabalhosa tarefa de manter conversas superficiais sem propósito foram algumas das ideias debatidas. 

Nenhum dos entrevistados relatou tristeza ou sentimento de exclusão por não pertencer a um grupo digital — muito pelo contrário. Segundo eles, dar atenção às pessoas que realmente importam é muito melhor do que conseguir 100 amigos virtuais.

3. "Ser" e "estar" em contraposição ao "fazer"

Viver o aqui e o agora permite trabalhar a ansiedade e ter calma para nos prepararmos para alguma tarefa mais stressante que possa estar por vir. Já o dedilhar e "scrollar" as páginas do telemóvel não é um exercício tão relaxante quanto parece. Não só a luz emitida pelo ecrã provoca um estado de alerta, como também a constante busca por alguma informação relevante causa stress.

Marcações: Valores, Tecnologia, Redes Sociais, Smartphone, Offline, Online

0
0
1
s2smodern

Últimas Notícias

  • Como serão os raios-x de animais?

    Como serão os raios-x de animais?

    As imagens que vais ver a seguir consistem em radiografias que foram feitas pelo pessoal do Jardim Zoológico de Oregon, nos EUA, como parte dos exames de rotina aos animais que lá vivem. Como podes comprovar abaixo, além de reveladores — do ponto de vista científico e veterinário —, as imagens são mesmo fascinantes. 

  • 4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    A Festa do Cinema decorre até ao dia 24 de outubro (quarta-feira), com mais de 10 mil sessões em todo o país. Parece muito? Não sabes por onde começar? Nós damos uma ajuda. 

  • Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    As contradições da vida moderna encontram na obra de Pawel Kuczynski um lugar de destaque. Os temas que o artista aborda nos seus desenhos giram em torno da relação da humanidade com o mundo que a cerca — desde o vício das redes sociais às estratégias da TV para fisgar a audiência. 

  • 15 Factos matemáticos divertidos

    15 Factos matemáticos divertidos

    Quem disse que a Matemática é uma seca, não leu este artigo!

  • Filmes que Desafiam:

    Filmes que Desafiam: "Capitão Fantástico"

    O filme desta semana fala-nos da importância da família e da importância que as coisas simples tem na nossa vida. 

  • Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Um grupo de investigadores da Universidade de RMIT, na Austrália, criou um tipo de letra – a Sans Forgetica, e garante que a mesma é capaz de aumentar a capacidade de memorização.

  • Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Não adianta negar: um dos maiores pesadelos dos alunos são os trabalhos de casa. Muitas vezes questionam-se porque é que devem estudar ainda mais do que já estudam na escola, e ainda que esses questionamentos deem lugar à aceitação (ou quase) na adolescência e na fase adulta, a verdade é que sempre temos que rever em casa o conteúdo lecionado durante o dia.

  • As marcas mais poderosas do mundo

    As marcas mais poderosas do mundo

    A Interbrand é uma importante consultora de marcas e todos os anos avalia as marcas mais poderosas. Já é conhecida a lista deste ano, sabes quais são?

  • Porquê adotar um cão?

    Porquê adotar um cão?

    São cada vez mais os adeptos da adoção de cães em vez de compra. Para além de "salvar" a vida do companheiro de 4 patas, o custo é irrisório quando comparado aos preços praticados por lojas de animais. 

  • Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    O Evangelho desta semana conta-nos uma história que te deve ser conhecida.

  • #respectbattles - a música como

    #respectbattles - a música como "arma" do respeito

    Podemos não concordar com os pontos de vistam, com as opções de vida que algumas pessoas ao nosso redor tomam. Mas se há algo que é obrigatório (e que vemos a desvanecer-se aos poucos) é o respeito pelo outro. A APAV não ficou indiferente e criou uma campanha original.

  • Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Se há algo muito debatido nos dias de hoje, são as regras de beleza, às quais muitos tentam corresponder. Mas sabias que nem sempre foi assim?