É normal não ter (ainda) um BFF?

0
0
0
s2sdefault

É estranho não ter um melhor amigo? Se tens um, provavelmente sabes que existem altos e baixos nesta relação. Se estás à procura de um, poderás sentir que as coisas poderiam ser melhor se o tivesses.

Mas não ter um melhor amigo não é algo preocupante. Um estudo recente no Reino Unido descobriu que uma em cada dez pessoas considera que não tem pessoas próximas, ou pelo menos algo semelhante a um melhor amigo. 

E a vida continua na mesma.

Algumas pessoas tem aquilo a que chamam pessoas próximas que lhes dão carinho e apoio, mas a nenhuma delas consegue chamar de melhor amigo. A chave está em não considerar essas amizades linearmente, porque não existem dois amigos iguais. Há quem prefira um amigo com quem se goste de fazer exercício físico, outro para falar de séries e/ou cinema, outro sobre tecnologia, enquanto outros preferem apenas contar com uma pessoa para tudo.

É uma questão de escolha pessoal, e às vezes de sorte. Até podes ainda não ter encontrado uma pessoa a quem possas chamar de melhor amigo. Por isso é que é importante não forçar ou acelerar amizades, porque cada uma tem o seu próprio ritmo. Com algumas pessoas, até podes sentir que as conheces há imenso tempo, enquanto que outras ficam apenas na categoria de "conhecidos". 

Valoriza os que estão à tua volta

Se queres mesmo ter um melhor amigo e ainda não o tens, não descontes essa tristeza nos amigos que tens na tua vida. Podes ainda não te ter apercebido, mas algum dos amigos que tens agora pode apresentar-te alguém que poderá tornar-se naquilo a que poderás chamar de melhor amigo

Para além do mais, as circunstâncias da vida mudam, e terás muitas oportunidades para te aproximares de pessoas com o passar do tempo. Continua a conhecer pessoas novas de forma a que, na altura certa, possas desenvlver uma amizade sólida com alguém a um ritmo muito natural.

Entretanto, precisas esperar para ver se algum dos laços que criaste com alguém tem potencial para se tornar no teu BFF. Se existe essa hipótese, então precisas de desenvolver essa amizade para ver se um bom amigo se pode tornar num melhor amigo. Fala das coisas que gostas, descobre o que tem em comum. É um ponto de partida.

Se não tens ninguém que se aproxime a esse estatuto de melhor amigo, e se é algo que queiras mesmo muito, precisas conhecer mais pessoas. Pode ser que, com alguma delas, possas aprofundar essa amizade. 

Se não te identificas com esta aflição, e sentes-te feliz com as muitas amizades que tens no momento, mas nenhuma delas se insere na categoria BFF, não há mesmo nenhum problema em ti. Se sentes que essa é a abordagem que te faz sentir bem em relação à amizade, que não há nenhuma lacuna por preencher neste assunto, então este tipo de preocupação de ter alguém a quem chamar melhor amigo não deve de todo preocupar-te. 

 

Marcações: Valores, Família, Crescer, Amizade, Amigos, Adolescentes

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.