Para lá da música: "Sigh no More" de Mumford & Sons

0
0
1
s2smodern

Já passaram 8 anos desde o lançamento do disco de estreia dos Mumford & Sons, Sigh no More, mas a sua música e a sua mensagem continuam bem vivas. Apesar de não se assumirem como praticantes de qualquer tipo de religião, os textos da banda britânica tocam várias vezes em temas religiosos.

Em muitas das músicas do álbum não é difícil descobrir diversas referências à questão do pecado, do perdão e até mesmo à ressurreição de Cristo. Basta olhar para os exemplos de The Cave, After the Storm ou Roll Away Your Stone.

Tentaremos descodificar algumas destas mensagens, através de uma possível interpretação cristã de algumas das 12 músicas deste álbum. Este artigo começa por analisar a primeira música do álbum e que lhe dá o nome… Sigh No more (Não suspirar mais).

[Verso 1]
Serve God, love me and mend
This is not the end
Live unbruised, we are friends
And I'm sorry, I'm sorry

[Verse 2]
Sigh no more, no more
One foot in sea, one on shore
My heart was never pure
You know me, you know me


But man is a giddy thing
Oh, man is a giddy thing
Oh, man is a giddy thing
Oh, man is a giddy thing

[Refrão]
Love, it will not betray you
Dismay or enslave you, it will set you free
Be more like the man you were made to be

There is a design, an alignment
A cry of my heart to see
The beauty of love as it was made to be

Ainda que a letra possa dar origem a diversas interpretações, podemos ter a certeza que começa quase como uma oração, pela forma como se dirige a Deus (Serve God, love me and mend).
Estes primeiros versos descrevem com alguma mágoa as dificuldades do ser humano em lidar com a vida. Podemos dizer que é uma descrição cabisbaixa de quem reconhece que o seu coração nunca foi puro (My heart was never pure).

Ainda assim, em cada frase que demonstra a instabilidade do coração humano, aparece sempre outra frase que abre uma janela de esperança (This is not the end… You know me). Janelas de esperanças que nos dão a consciência que não vale a pena suspirar mais (Sigh no more, no more) pelos erros cometidos.

Este estado de alma que nos vem descrito acaba por se resumir na frase que conclui esta primeira parte da música, repetida diversas vezes: o Homem é uma coisa inconstante (Man is a giddy thing).

É com esta dor de nos descobrirmos inconstantes que nos deparamos tantas vezes. É caso para perguntar: quantas vezes não repetimos esta frase a nós próprios?

Porém, é em cada destes momentos que podemos reparar que continuamente nos é dada uma nova oportunidade para seguir em frente e corrigir os nossos erros. É nesta nova oportunidade que encontramos a passagem para o refrão, marcada musicalmente pela aceleração e aumento de intensidade vocal e instrumental.

Uma constante nova oportunidade que nos vem aberta pelo Amor. Um Amor que não nos escraviza pelos nossos erros, mas que nos tenta libertar dos mesmos (Love, it will not betray you / Dismay or enslave you, it will set you free).

Um Amor que nos faz olhar de novo para o projeto original da nossa vida (There is a design, an alignment). Um projeto que nos faz perceber que fomos criados para uma vida de plenitude que anseia superar cada momento de instabilidade. Existe realmente dentro de cada coração humano este grito que nos faz querer voltar a ver a beleza deste Amor (A cry of my heart to see / The beauty of love as it was made to be).

Uma beleza que podemos descobrir em Jesus Cristo, que nos faz acreditar que apesar de todos os nossos momentos de instabilidade, temos sempre as portas da felicidade eterna abertas.

Marcações: Valores, Arte, Música, Adolescentes, Artistas, Mensagem, Reflexão

0
0
1
s2smodern

Últimas Notícias

  • Como serão os raios-x de animais?

    Como serão os raios-x de animais?

    As imagens que vais ver a seguir consistem em radiografias que foram feitas pelo pessoal do Jardim Zoológico de Oregon, nos EUA, como parte dos exames de rotina aos animais que lá vivem. Como podes comprovar abaixo, além de reveladores — do ponto de vista científico e veterinário —, as imagens são mesmo fascinantes. 

  • 4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    A Festa do Cinema decorre até ao dia 24 de outubro (quarta-feira), com mais de 10 mil sessões em todo o país. Parece muito? Não sabes por onde começar? Nós damos uma ajuda. 

  • Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    As contradições da vida moderna encontram na obra de Pawel Kuczynski um lugar de destaque. Os temas que o artista aborda nos seus desenhos giram em torno da relação da humanidade com o mundo que a cerca — desde o vício das redes sociais às estratégias da TV para fisgar a audiência. 

  • 15 Factos matemáticos divertidos

    15 Factos matemáticos divertidos

    Quem disse que a Matemática é uma seca, não leu este artigo!

  • Filmes que Desafiam:

    Filmes que Desafiam: "Capitão Fantástico"

    O filme desta semana fala-nos da importância da família e da importância que as coisas simples tem na nossa vida. 

  • Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Um grupo de investigadores da Universidade de RMIT, na Austrália, criou um tipo de letra – a Sans Forgetica, e garante que a mesma é capaz de aumentar a capacidade de memorização.

  • Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Não adianta negar: um dos maiores pesadelos dos alunos são os trabalhos de casa. Muitas vezes questionam-se porque é que devem estudar ainda mais do que já estudam na escola, e ainda que esses questionamentos deem lugar à aceitação (ou quase) na adolescência e na fase adulta, a verdade é que sempre temos que rever em casa o conteúdo lecionado durante o dia.

  • As marcas mais poderosas do mundo

    As marcas mais poderosas do mundo

    A Interbrand é uma importante consultora de marcas e todos os anos avalia as marcas mais poderosas. Já é conhecida a lista deste ano, sabes quais são?

  • Porquê adotar um cão?

    Porquê adotar um cão?

    São cada vez mais os adeptos da adoção de cães em vez de compra. Para além de "salvar" a vida do companheiro de 4 patas, o custo é irrisório quando comparado aos preços praticados por lojas de animais. 

  • Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    O Evangelho desta semana conta-nos uma história que te deve ser conhecida.

  • #respectbattles - a música como

    #respectbattles - a música como "arma" do respeito

    Podemos não concordar com os pontos de vistam, com as opções de vida que algumas pessoas ao nosso redor tomam. Mas se há algo que é obrigatório (e que vemos a desvanecer-se aos poucos) é o respeito pelo outro. A APAV não ficou indiferente e criou uma campanha original.

  • Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Se há algo muito debatido nos dias de hoje, são as regras de beleza, às quais muitos tentam corresponder. Mas sabias que nem sempre foi assim?