Jovens que Mudaram o Mundo: Maya Angelou

0
0
1
s2smodern

Maya Angelou é um importante símbolo da cultura afroamericana. Desde indicações para prémios Pullitzer a Grammys, Angelou foi uma defensora dos direitos civis e da igualdade. 

E tudo aquilo que conseguiu foi a partir da superação pessoal: depois de um abuso sexual na infância, sofreu de um mutismo patológico que durou quase cinco anos.

Maya, apelido derivado de “My” (meu) ou “Mya sister” (minha irmã), que ganhou do seu irmão mais velho, foi uma respeitada porta-voz das pessoas de raça negra e das mulheres e produziu obras consideradas uma defesa da cultura negra. Com imensas tentativas de censura dos seus livros, os seus trabalhos são recorrentes nas escolas e universidades do mundo todo.

Marguerite Annie Johnson nasceu em St. Louis, Missouri, a 4 de abril de 1928. Foi a segunda filha de um porteiro e nutricionista da marinha e de uma enfermeira. Quando Angelou tinha três anos e o seu irmão quatro, a separação dos seus pais fez com que os dois irmãos viajarem sozinhos para o Arkansas, onde morariam com a avó paterna, Annie Henderson, que era uma exceção nas duras condições econômicas dos afroamericanos na época porque prosperara financeiramente durante a Grande Depressão e Segunda Guerra Mundial graças a uma loja de artigos de primeira necessidade.

A avó, com a sua força e independência, foi um grande modelo e uma fonte de inspiração para Maya. A menina logo perceberia o que significava ser negra numa sociedade racista. “Era horrível ser negra e não ter controlo sobre minha vida”, escreveu na sua autobiografia, Sei Porque Canta o Pássaro na Gaiola

Com oito anos de idade, Maya volta para St. Louis, onde vive com a mãe e o seu namorado, que a violentou. O homem foi julgado e declarado culpado, mas só foi condenado a um dia de prisão. Quatro dias depois de sair da cadeia foi assassinado, provavelmente pelos tios de Angelou, e Maya permaneceu muda durante quase cinco anos acreditando que “eu matei aquele homem porque disse o seu nome. E depois pensei que nunca mais voltaria a falar, porque a minha voz poderia matar qualquer um...”

Foi durante esse período de silêncio que Maya Angelou desenvolveu a memória extraordinária, o amor pelos livros e pela literatura e a grande habilidade de observar e escutar o mundo que a rodeava. De volta à casa da avó, uma professora e amiga da família, a senhora Flowers, a ajudou a recuperar a fala e apresentou-lhe Charles Dickens, William Shakespeare, Edgar Allan Poe, Douglas Johnson e James Weldon Johnson, escritores que, ao lado de artistas feministas de raça negra como Frances Harper, Anne Spencer e Jessie Fauset, teriam influência na sua vida.

Aos 14 anos, Maya Angelou e o seu irmão voltam a morar com a mãe, desta vez em Oakland, Califórnia, e começa uma vida rica em experiências e aventuras. Durante a Segunda Guerra Mundial, Angelou estudou na Escola de Trabalho Social da Califórnia e, antes de se formar, foi a primeira mulher negra a conduzir um elétrico em São Francisco. Três semanas depois de terminar a escola, aos 17 anos, deu à luz um filho, vendo-se obrigada a aceitar numerosos trabalhos para sustentá-lo, entre eles trabalhar como prostituta ou administrar um bordel.

Em meados de 1960, Maya Angelou desenvolveu sua escrita e confirmou seu compromisso com o ativismo social e a promoção dos direitos civis. Incentivada por amigos como James Baldwin, Angelou começou a escrever a sua primeira autobiografia, sobre os seus primeiros anos de vida, que lhe valeu uma indicação para o National Book Award em 1974. Em 1979, Angelouadaptou para um roteiro de televisão e produziu os volumes seguintes de sua autobiografia até 2002.

Em 1979 fez amizade com uma desconhecida apresentadora de Baltimore, Oprah Winfrey, que se tornou sua discípula por admirar a sua capacidade de sobrevivência e a sua capacidade de conquistar p seu espaço em mundos até então reservados para os homens brancos. Anos mais tarde, Winfrey, já rainha da televisão norte-americana e criadora de seu próprio Clube do Livro, foi um grande apoio para Maya Angelou.

Em 1993, Maya recitou ‘On the Pulse of Morning’ na cerimónia de tomada de posse de Bill Clinton, algo que não acontecia desde 1961, quando Robert Frost recitou na posse de John F. Kennedy. 

No final de 2010, Angelou doou tudo aquilo que escreveu a nível pessoal, assim como outras lembranças ao Centro Schomburg para a Pesquisa da Cultura Negra no Harlem. A doação consistiu em mais de 340 caixas nom notas escritas à mão em cadernos de folhas amareladas para a sua primeira autobiografia,cartas de admiradores e correspondência pessoal e profissional.

Em 2013, aos 85 anos, Angelou publicou a sua sétima autobiografia, intitulada Mom & Me & Mom, focada na relação com a sua mãe.

Maya Angelou faleceu a 28 de maio de 2014. Tinha 86 anos. Apesar do estado de saúde frágil, que a obrigara a cancelar aparições públicas, Angelou ainda escrevia, neste caso um novo livro, uma autobiografia sobre as suas experiências com líderes nacionais e mundiais.

As condolências pelo falecimento de Angelou chegaram de todos os setores e de todas as partes do mundo, desde artistas até líderes mundiais, incluindo Bill Clinton e Barack Obama. Na semana seguinte à morte de Angelou, a sua primeira autobiografia  ocupou o primeiro lugar na lista de mais vendidos da Amazon.

Marcações: JOvens, EUA , Mundo, Livros, África, Poemas, Barack Obama

0
0
1
s2smodern

Últimas Notícias

  • Como serão os raios-x de animais?

    Como serão os raios-x de animais?

    As imagens que vais ver a seguir consistem em radiografias que foram feitas pelo pessoal do Jardim Zoológico de Oregon, nos EUA, como parte dos exames de rotina aos animais que lá vivem. Como podes comprovar abaixo, além de reveladores — do ponto de vista científico e veterinário —, as imagens são mesmo fascinantes. 

  • 4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    4 Filmes para veres a 2,50 euros na Festa do Cinema

    A Festa do Cinema decorre até ao dia 24 de outubro (quarta-feira), com mais de 10 mil sessões em todo o país. Parece muito? Não sabes por onde começar? Nós damos uma ajuda. 

  • Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    Pawel Kuczynski: Ilustrações que desafiam

    As contradições da vida moderna encontram na obra de Pawel Kuczynski um lugar de destaque. Os temas que o artista aborda nos seus desenhos giram em torno da relação da humanidade com o mundo que a cerca — desde o vício das redes sociais às estratégias da TV para fisgar a audiência. 

  • 15 Factos matemáticos divertidos

    15 Factos matemáticos divertidos

    Quem disse que a Matemática é uma seca, não leu este artigo!

  • Filmes que Desafiam:

    Filmes que Desafiam: "Capitão Fantástico"

    O filme desta semana fala-nos da importância da família e da importância que as coisas simples tem na nossa vida. 

  • Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Sans Forgetica: o novo tipo de letra que ajuda a memorizar o que escreves

    Um grupo de investigadores da Universidade de RMIT, na Austrália, criou um tipo de letra – a Sans Forgetica, e garante que a mesma é capaz de aumentar a capacidade de memorização.

  • Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Quem é que inventou os TPC? São mesmo precisos?

    Não adianta negar: um dos maiores pesadelos dos alunos são os trabalhos de casa. Muitas vezes questionam-se porque é que devem estudar ainda mais do que já estudam na escola, e ainda que esses questionamentos deem lugar à aceitação (ou quase) na adolescência e na fase adulta, a verdade é que sempre temos que rever em casa o conteúdo lecionado durante o dia.

  • As marcas mais poderosas do mundo

    As marcas mais poderosas do mundo

    A Interbrand é uma importante consultora de marcas e todos os anos avalia as marcas mais poderosas. Já é conhecida a lista deste ano, sabes quais são?

  • Porquê adotar um cão?

    Porquê adotar um cão?

    São cada vez mais os adeptos da adoção de cães em vez de compra. Para além de "salvar" a vida do companheiro de 4 patas, o custo é irrisório quando comparado aos preços praticados por lojas de animais. 

  • Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    Escuta, Arrisca e ... Simpatiza!

    O Evangelho desta semana conta-nos uma história que te deve ser conhecida.

  • #respectbattles - a música como

    #respectbattles - a música como "arma" do respeito

    Podemos não concordar com os pontos de vistam, com as opções de vida que algumas pessoas ao nosso redor tomam. Mas se há algo que é obrigatório (e que vemos a desvanecer-se aos poucos) é o respeito pelo outro. A APAV não ficou indiferente e criou uma campanha original.

  • Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Os padrões de beleza ao longo do tempo

    Se há algo muito debatido nos dias de hoje, são as regras de beleza, às quais muitos tentam corresponder. Mas sabias que nem sempre foi assim?