Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Fala-me Direito: O trabalho tem idade?

0
0
0
s2sdefault

Muitos jovens hoje em dia pensam na hipótese de deixar de estudar e ir, simplesmente, trabalhar. Também deves ter amigos, ou até tu próprio, que querem arranjar um trabalho nas férias. Mas até que ponto é que se pode fazer isso?

Primeiro, é importante referir que existe uma idade mínima de admissão, que são os 16 anos. Além de ser necessário ter 16 anos, para um menor poder trabalhar tem ainda que ter concluído a escolaridade obrigatória ou estar a frequentar o ensino secundário.

Ah pois é, não podes simplesmente sair da escola e ir trabalhar, precisas dela!

E, obviamente, têm de ter capacidade física também. No caso de terem idade inferior a 16 anos, também podem trabalhar, mas apenas quem tenha concluído a escolaridade obrigatória ou esteja inscrito no ensino secundário, sendo que só podem executar tarefas leves e simples, que não exijam muitos esforços mentais e físicos! Podem ainda trabalhar quando se trate de uma formação profissional, por exemplo, caso se encontrem a frequentar um curso profissional.

Então mas e se eu não tiver concluído a escolaridade ou não estiver a frequentar o nível secundário, mas tiver 16 anos?  Perguntas tu.

Neste caso só podes trabalhar se estiveres a frequentar qualquer tipo de formação ou educação que confira o mesmo nível da escolaridade obrigatória ou então alguma qualificação profissional, sendo que aqui vão beneficiar do estatuto trabalhador-estudante.

Deve ser celebrado um contrato, mas para que ele seja válido será sempre necessária uma autorização por escrito dos vossos pais, que são os representantes legais! Se eles se opuserem, já não será válido.

No que diz respeito ao tempo, aplica-se o mesmo que nos restantes trabalhadores, sendo que no máximo podem trabalhar 8h por dia e 40h por semana. Mas se tiverem menos de 16 anos e praticarem tarefas mais leves, o horário reduz-se: passam a poder trabalhar apenas 7h por dia e 35h por semana.

E não podem prestar trabalho suplementar, a não ser em circunstâncias excecionais, tal como não podem, em termos gerais, trabalhar no período noturno (se têm menos de 16 anos não podem trabalhar entre as 20h de um dia e as 7h do dia seguinte, sendo que se tiverem 16 anos já podem trabalhar mas apenas até às 22h da noite).

Então e posso receber um salário? Podes sim senhora, a não ser que os pais se oponham!

E descansar? Isto não é só trabalhar… Também descansas claro! O Código do Trabalho prevê o seguinte: por dia têm direito a descansar entre uma a duas horas e têm ainda direito a um descanso semanal de dois dias seguidos em cada período de 7 dias.

O importante é garantirem sempre que o empregador vos dá todas as condições necessárias e adequadas à vossa idade, de forma a que não resulte nenhum risco especial pelo facto de serem menores.

 

Marcações: Escola, Valores, Direitos, Férias, Amigos, Trabalho, Direito, Advogado, Trabalhar, Descansar

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.