O convite da Quaresma

0
0
0
s2sdefault

Hoje começa a Quaresma. Começa um caminho em que se renova a proposta de uma vida mais autêntica. Começa um caminho de oração, de jejum e de esmola!

 Quarta-Feira de Cinzas | Mt 6, 1-6. 16-18 

Ao lermos o evangelho que a Igreja nos propõe para o dia de hoje, a insistência de Jesus sobre a hipocrisia de quem quer mostrar a todos os sacrifícios e as coisas boas que faz, deve despertar a nossa atenção. De facto, a Quaresma, não é o tempo para fazer coisas… o convite da Quaresma é mais profundo e essencial: mudar o coração, converter-se! Não é fazer coisas, mas tornar-se numa pessoa diferente da que somos: mais autênticos, mais verdadeiros, mais essenciais, mais de Cristo.

Sempre gostei, no inicio da Quaresma, de reler um texto cristão dos primeiros séculos a que deram o título de Epístola a Diogneto. Diz assim uma parte deste escrito: Os Cristãos são da carne mas não vivem segundo a carne. Moram na terra mas são cidadãos do céu. Obedecem às leis estabelecidas pelos homens, mas com a sua vida superam a lei, e obedecem a Deus.

É a isto que nos chama a Quaresma que hoje começamos: a separarmo-nos do que está a mais, do apego exagerado às nossas certezas e às nossas coisas e a olhar para o alto. A Quaresma é um desafio constante a não nos contentarmos com uma adesão superficial a Cristo mas a abrirmos o nosso coração à novidade transformadora da sua Pessoa e da Sua Palavra. Mais do que cumprir preceitos, Jesus pede-nos hoje que examinemos a nossa vida e a repensemos à luz do Seu evangelho.

Este tempo começa com um símbolo e com um gesto. O símbolo são as cinzas e o gesto é a de as recebermos na nossa cabeça. Este símbolo de penitência e de conversão, ajuda-nos a perceber que precisamos de queimar, de reduzir a cinzas, as ideias erradas que temos de Deus e da sua ação no mundo, para recebermos Jesus na Alegria verdadeira que nasce da Sua ressurreição, que hoje começamos a preparar.

O Pai está no segredo. Conhece os nossos segredos. Não precisa de publicidade: exige autenticidade! E o segredo faz-nos pensar logo no silêncio. A Quaresma também é tempo de silêncio. Jesus fez quarenta dias de silêncio no deserto antes de começar a falar abertamente do Reino de Deus. Por isso, façamos silêncio! Silêncio que se faz oração e meditação da Sua Palavra, longe das mil distrações que todos os dias nos invadem a casa, a mente e o coração. Façamos silêncio para que Deus fale no segredo e nos ilumine com a Sua Palavra.

Se vivermos uma quaresma autêntica, não receberemos um diploma nem um aplauso na Igreja, mas receberemos a maior recompensa que podemos desejar: a vida de Deus em nós… e uma vida abundante!

Boa quaresma… com Jesus!

Marcações: Valores, Evangelho, Jesus , Quaresma, Cinzas, Conversão

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.