A arte de divagar

0
0
0
s2sdefault

Captei a vossa atenção? Boa, continuemos! (Aliás, esta pergunta foi um quanto desnecessária porque se estão a lê-la então claramente estão a providenciar um pouco da vossa atenção a mim, que me apresento sob a forma destas palavras aqui colocadas de forma certeira mas numa aleatoriedade paradoxal.) Ainda aqui estão? Excelente, fico agradecida.

Este é o parágrafo que vocês estão agora a ler porque provavelmente supõem que eu apresentarei aqui a razão clara e concisa que justifique o tema e o título, e à medida que continuam a ler aqui estou eu, em processo contínuo de captação de um índice de atenção um quanto confuso porque no meio de tanto palavreado não está a surgir qualquer definição. Eu também tinha intenções de providenciar esclarecimentos, a sério que sim, mas trata-se de uma mui essencial missão esta de vos mostrar como é fácil escrever, escrever e escrever e no fundo, dizer muito pouco.

Ou nada.

Ainda assim, dizer nada faz-me um pouco de comichão porque o ato de dizer precisa sempre de algo mais, ou seja existência. Ora, assim sendo, dizer nada é uma expressão ilógica, mas com um aroma poético, daí a utilização da mesma. Isto de ser poético tem muito que se lhe diga, e eu bem que o posso fazer porque me estou a dar ao luxo de divagar. Ainda assim pretendo ser interessante daqui a uns momentos, não se preocupem.

Agora a sério.

Divagar é mais comum no nosso dia-a-dia do que aquilo que imaginamos. Trata-se do ato de comunicar sem um objetivo claro e de dispersar por entres linhas que fogem ao tópico inicial. Em composições naqueles testes de português é fácil que isto aconteça, em apresentações orais também e, por último mas não menos importante em conversas casuais que temos com amigos, família ou colegas. Divagar é comum e todos o fazemos, ou em maior ou menor quantidade.

No entanto, perguntamo-nos sempre Por que o fazemos?.

Muitas das vezes divagamos porque estamos ansiosos quanto ao tema que abordamos. Se calhar não o conhecemos assim tão bem, se calhar até sabemos uma ou outra coisa sobre o mesmo mas não o suficiente para escrever 750 palavras sobre vantagens e desvantagens, sobre consequências e causas. Os estudantes dominam esta arte de divagar melhor que ninguém: afinal de contas, quem nunca colocou palavreado frenético e desajeitado nas suas composições? Ou melhor, quem nunca colocou palha? Temos que chegar às 750 palavras e só temos 700? Não é problemático, basta ligar a imaginação e começar a escrever.

Divagar é giro, tem a sua graça, é provavelmente o método preferida do Eça de Queirós e pode ser extremamente útil em momentos de aflição para composições. Não é que nos dê uma boa nota, mas pelo menos dá-nos confiança para tal. Ainda assim, não divagar faz-nos ser ouvidos, faz-nos ser sérios e, acima de tudo, faz-nos ser objetivos.

Por isso, se achas que na escola tens colocado mais palha nos textos do que no presépio, começa por pensar objetivamente no tópico para o qual tens que escrever e vai repetindo para ti mesmo esse tópico à medida que o comunicas. No fim, quando estiveres a ler o texto pergunta-te a ti mesmo O tema X está abordado ao longo de todo o texto?.

Acredita que assim as tuas composições vão ficar mais interessantes e, quem sabe, as tuas notas podem subir. Se isso não acontecer, não te preocupes. Eu já fiz o ensino básico há algum tempo e acabei de escrever um artigo sobre divagar à medida que ia divagando.

Há sempre esperança para nós, e se não houver?
Pelo menos há palha.

 

Marcações: Escola, Livros, Amigos, Testes, Tempos Livres, Escrever, Criar, Divagar

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sophie Cruz: Construir famílias e não muros

    Sophie Cruz: Construir famílias e não muros

    Sophie Cruz é dada a conhecer ao mundo em 2015, quando na visita do Papa aos EUA, a pequenina corre para lhe dar um abraço. Entrega-lhe também uma carta sobre a história dos seus pais, imigrantes mexicanos à procura de lgalizar a sua situação.

  • Beato Pier Giorgio Frassatti: Sempre em

    Beato Pier Giorgio Frassatti: Sempre em "direção ao Alto"

    Pier Giorgio nasceu no seio de uma família muito rica, a 6 de abril de 1901. Filho do fundador do jornal La Stampa e de uma virtuosa pintora, foi com a mãe que Pier Giorgio absorveu o testemunho de fé e bons valores. 

  • Kay: a importância de cuidarmos de nós próprios.

    Kay: a importância de cuidarmos de nós próprios.

    Karolina é uma jovem polaca que vive atualmente em Inglaterra. Tem 26 anos, mas aos 13 começou um blog que mudou a sua vida. 

  • Músicas que desafiam:

    Músicas que desafiam: "Broken" dos Coldplay

    Nesta altura natalícia as rádios e plataformas de streaming tem sempre aquele conjunto de músicas habituais para esta época. Podemos hoje sugerir mais uma para a tua "playlist"?

  • Irmão Roger: um

    Irmão Roger: um "ponto de luz" num mundo em discórdia

    A vida do irmão Roger mistura-se com a história da própria comunidade de Taizé. 

  • Todos os amigos são eternos!

    Todos os amigos são eternos!

    Quantos amigos tens? Aqueles mesmo de confiança ... Um? Dois? Dez? Cada um tem uma relação diferente com os seus amigos: alguns fazem amigos todas as semanas,enquanto outros preservam as amizades de longa data e são mais reservados.

  • Bana Alabed:

    Bana Alabed: "Querido mundo, esta é a minha história"

    O testemunho de hoje chega-nos da Síria. Com apenas 7 anos, Bana Alabed criou uma conta Twitter com a ajuda da mãe, como uma forma de dar a conhecer a situação do seu país. 

  • Boyan Slat: o jovem que quer limpar os oceanos

    Boyan Slat: o jovem que quer limpar os oceanos

    Neste tempo em que nos preparamos para o Natal, queremos que conheças algumas pessoas que podem "influenciar" a tua vida. Já conheces o jovem Boyan Slat?

  • Escuta, Arrisca e Vive o Advento | Domingo I (Ano A)

    Escuta, Arrisca e Vive o Advento | Domingo I (Ano A)

    O Evangelho deste domingo desafia-nos a vigiar … estar atentos … É curioso como Jesus nos desafia a estarmos atentos e vigilantes, quando os nossos dias são sempre feitos a alta velocidade.

  • Pensa positivo!

    Pensa positivo!

    Já ouviste falar que os pensamentos negativos trazem uma vida negativa?

  • Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Domingo XXXIV do Tempo Comum

    Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Domingo XXXIV do Tempo Comum

    O Evangelho deste domingo é impressionante. É quase chocante a descrição – por um lado estão os que gritam e dão ordens a Jesus, os que se riem dele, os que não entendem nada de Deus, os que troçam “Se és rei, salva-te”. “Se salvou outros, que Se salve a si mesmo”.

  • Torna-te naquilo que acreditas!

    Torna-te naquilo que acreditas!

    Sabes quem é a Oprah? Bom, a Oprah é um género de prova viva de que se queres muito uma coisa e sabes sonhar então VAIS atingir! Como ela própria disse: “Cria a mais alta visão possível para a tua vida, porque te tornas aquilo em que acreditas”.