Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Histórias para crescer: a vida ou uma banana?

0
0
0
s2sdefault

A história de hoje é real...Sabes como as tribos africanas fazem armadilhas para capturar macacos? À partida pensamos que tem de ser um método muito complexo porque os macacos são muito espertos e saltam de galho em galho a grande altitude pendurados nas árvores.

 

Pois bem, o método é bastante simples: apenas é necessário alimento (banana ou coco) dentro de um vaso de gargalo apertado.

Coloca-se o vaso com o alimento, amarrado por exemplo ao tronco de uma árvore e depois é só esperar. A curiosidade dos macacos faz com que desçam, olhem para o vaso e vejam o alimento. Instintivamente, o macaco enfia a mão e agarra a fruta, mas como a boca do recipiente é muito estreita, ele não consegue retirar a banana com a mão fechada.

Surge então o dilema: se largar a banana, a mão sai e ele poderá ir embora livremente, caso não largue, continuará preso à armadilha, mas não sai dali nem come o alimento. É nesta fase que os nativos regressam e tranquilamente capturam os macacos que teimosamente se recusam a largar a banana.

Repara que é um preço demasiado caro a pagar por uma banana que não se consegue comer (há que recordar que os macacos eram capturados para servirem de alimento das tribos)!

Podemos criticar a atitude do macaco que lhe custa a vida, seria tão fácil simplesmente abrir a mão e fugir! Mas já pensaste que nos apegamos às situações ou às pessoas e não as largamos mesmo que isso nos cause sofrimento, seja um mau relacionamento ou um hábito?

O paradoxo desta história é que, às vezes, é preciso perder para ganhar. Não podemos insistir nos mesmos comportamentos e esperar que o resultado seja diferente (2+2 são sempre 4)… Por vezes é melhor largar, perder agora e tentar outra alternativa do que continuar a perder tempo (e a sofrer) agarrados à mesma situação!

Nem sempre largar o que nos faz sofrer é fácil, talvez porque não se antecipem alternativas (há pessoas que se mantêm em relacionamentos abusivos porque isso é melhor do que estarem sozinhas, na sua perspetiva) ou porque o sofrimento tem um “ganho secundário”.

Por exemplo, pensa nas pessoas que estão sempre a reclamar (do tempo, de tudo e de nada): reclamar vai mudar alguma coisa? Não. Mas ao reclamar estão a ter a consideração alheia, seja porque têm do que falar, seja porque se colocam no papel vítima. Esta atenção dos outros é o chamado ganho secundário!

Presta atenção às coisas que reclamas e repara o que ganhas com as mesmas… quais são os teus ganhos secundários?

Lembra-te que a vida é demasiado preciosa para a trocarmos por uma banana!

Marcações: Crescer, Histórias , Desafios, Adolescência, Dilemas

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.