Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

"Fala-me Direito": Os meus pais vão divorciar-se, e agora?

0
0
0
s2sdefault

O divórcio é sempre um assunto muito complicado e uma das coisas que o complica ainda mais é a quantidade de assuntos aos quais os pais têm de chegar a acordo para se poderem divorciar. E um deles é, adivinha…

 Sim, tu.

Se és menor e os teus pais se estão a divorciar, há 3 assuntos principais que eles vão ter que discutir: com quem vais viver, como vão ser as visitas do outro progenitor e a pensão de alimentos.

Em relação à tua residência existem várias possibilidades. Podes ficar a viver com a tua mãe, podes ficar com o teu pai, ou podes mesmo viver alternadamente em casa dos dois: uma semana com a mãe e uma semana com o pai, por exemplo. Nos EUA há até quem experimente uma nova forma, que se chama Bird’s Nest: a casa é do menor e os pais vão alternando entre si, numa semana vai o pai para lá, noutra a mãe, mas o menor fica sempre na mesma casa.

Agora imagina que ficas a viver com o teu pai. Isso não significa que vás deixar de ver a tua mãe, como é óbvio! O que provavelmente vai acontecer é que se vão definir visitas da tua mãe. Por exemplo, podes passar todos os fins-de-semana com ela, ou de 15 em 15 dias, depende de cada caso.

E depois temos a pensão de alimentos. Não, não estamos a falar de comida, mas de dinheiro. Os teus pais podem estar separados, mas continuam a ter que contribuir os dois para as tuas despesas, certo? Pois, também eles terão de definir isso. Como já explicámos, se ficas a viver com o teu pai, normalmente o que acontece é que se vai definir uma quantia para a tua mãe contribuir. E se viveres uma semana com um e outra semana com outro, o mais normal é não se estipular uma quantia e cada pai paga as despesas daquela semana.

Mas se até agora parecia mais ou menos simples, depois vêm todos aqueles dias e épocas que não têm fim -  os aniversários, o Natal, a Páscoa, o Carnaval, as férias grandes, o dia do Pai e da Mãe, o teu aniversário.. Os desportos que praticas, as viagens que podes ou não fazer, a tua saúde e medicamentos, as tuas atividades escolares.. sim, os teus pais vão falar sobre isso tudo.

E agora perguntas-me: e eu, tenho alguma coisa a dizer sobre isto? Posso ter opinião?

Claro que sim! Falamos na próxima semana. 

Marcações: Direitos, Pais, Filhos, Direito, Advogado, Divórcio

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.