Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Quando sei que uma amizade é "tóxica"?

0
0
0
s2sdefault

Conseguimos muitas vezes dar conselhos aos nossos amigos, quando eles estão numa amizade abusiva e que se nota que não lhe faz bem. Mas e quando é connosco? Detetamos os sinais? Sentimentos de arrependimento, raiva e descrença colidem num único momento de realização: como é que essa pessoa pode caluniar e falar sobre mim? Como é que essa pessoa poderia saltar para conclusões falsas sobre mim?

 

Antes de pronunciar o veredicto, vamos examinar três sinais para entender como uma amizade, sem darmos conta, pode tornar-se tóxica tão rapidamente.

Um desequilíbrio no dar e receber

Existe uma relação saudável quando duas pessoas estão empenhadas em construí-las e desenvolvê-las juntas. Se achas que és a pessoa que constantemente se dá por inteiro e aconselhas, então estás com problemas. Não és o salvador de ninguém. Não podes fornecer todas as respostas que uma pessoa precisa - não é justo tornares-te pai ou responsável na amizade.

Um sentimento de culpa

Cuidar e dar atenção não significa submeter-se cegamente a outra pessoa. Se te sentes culpado sempre que queres dar a tua opinião ou ideias, está na hora de apanhares um bocado de ar. Pensa e reflete na tua posição nesta amizade, se és de facto valorizado e respeitado. De seguida, procura conciliar-te com o teu amigo, explica a tua posição e juntos procurem o melhor 

Comportamento passivo-agresivo

De acordo com o dicionário, uma pessoa passiva-agressiva é definida como uma personalidade caracterizada por resistência indireta às demandas dos outros e evitando o confronto direto, como procrastinar, amuar ou extraviar materiais importantes. O comportamento é o prenúncio da toxicidade e destruição em qualquer relação de amizade. Este é o tipo de comportamento que faz crescer as ervas ddaninhas que são as fofocas, levando a um ciclo vicioso de difamação e rumores. É muito mais conveniente criticar por trás das costas da pessoa em vez de reunir a coragem de falar pessoalmente.

Se estás a morder a língua enquanto lês isto, está na hora de pensares um pouco nessa amizade que te deixa inquieto. Perceber o problema e resolcê-lo em conjunto são os melhores passos para uma amizade saudável. 

Marcações: Escola, Valores, Amizade, Amigos, Tempos Livres

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.