Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Dia Mundial de Combate ao Bullying

0
0
0
s2sdefault

Hoje, dia 20 de Outubro, celebra-se o Dia Mundial de Combate ao Bullying. Isto significa que este conceito entrou na agenda da comunicação social, está na praça pública e sobretudo nas escolas, o que obriga a que pais, professores e políticos tenham de enfrentar o problema. Até porque continua a existir muita confusão acerca deste tema porque não se compreende a verdadeira natureza do fenómeno e as crenças que não é assim tão grave ou é um problema entre eles imperam.

 

Alguns mitos acerca do bullying:

Os adultos não podem interferir: podem e devem! Os professores podem apontar e dissuadir comportamentos violentos. Os pais podem dialogar com as escolas, reportando as situações problemáticas.

Os rapazes são mais propensos a serem vítimas: não é uma questão de género - as raparigas tendem a ser vítimas de bullying emocional e cibernético, mas tanto rapazes como raparigas são igualmente suscetíveis de sofrerem violência física.

Começa com o cyber-bullying: na verdade, geralmente termina com ciber-bullying. Normalmente há um alvo que se conhece (não é ao acaso) e no escalar da perseguição usam-se também os meios eletrónicos para atormentar.

Os miúdos só precisam de endurecer: este mito é do passado e indica que não se percebem as consequências psicológicas duradouras do bullying.

Os observadores não participam do bullying: mas a verdade é que fazem! Sempre. Até porque parte da motivação do agressor é ter audiência. Mas este “público” pode ser ensinado a reduzir o bullying, primeiro percebendo o que está a acontecer, depois reagindo em defesa da vítima, se for possível no momento, e denunciando a situação a um adulto.

Os fortes/maus são populares: não necessariamente. Os agressores podem até ser impopulares ou marginalizados.

É óbvio quando uma criança está a ser intimidada: nem sempre pais ou professores estão atentos aos sinais e nem sempre percebem o que está a acontecer com as crianças. Por isso, os adultos devem facilitar o diálogo e perguntar.

O bullying deve ser físico: o bullying pode assumir muitas formas, como a humilhação, boatos ou a perseguição, além da parte física.

Acontece e não é culpa de ninguém: isso pode até não ser. Mas todos somos responsáveis pelo que se passa no nosso mundo: os pais têm a responsabilidade de falar com os filhos para perguntar sobre o bullying e ouvir o que dizem. Os professores têm a responsabilidade de intervir, as escolas de criar ambientes seguros e os políticos são responsáveis ​​por criar políticas que protejam as crianças. E todos somos responsáveis para agir e denunciar as situações de bullying.

O bullying é um comportamento multifacetado que muda com a situação e as pessoas envolvidas, mas implica um comportamento indesejável e agressivo entre crianças/adolescentes em idade escolar que envolve um desequilíbrio de poder real ou percebido e é ou pode ser repetido ao longo do tempo. O bullying pode ocorrer em qualquer lugar, mas geralmente acontece nas escolas e sempre onde a supervisão de adultos é limitada ou inexistente.

Os três fatores mais importantes são: o desequilíbrio de poder real ou percebido (por serem mais fortes ou mais populares); o comportamento repetido ou o possível acesso à vítima e a ausência de adultos.

As feridas do bullying não passam facilmente: normalmente as vítimas, que são os mais tímidos e isolados, com a violência tendem a isolar-se ainda mais. E com o bullying tudo se agrava: as notas descem, pensam em desistir da escola, sentem muita raiva. Isto leva a que cresçam com ansiedade, depressão, tristeza e solidão. É um preço muito alto a pagar, mesmo na idade adulta!

Por seu lado, os que fazem bullying por serem violentos, manipuladores, cruéis, sem empatia e geralmente desagradáveis, podem não ter muitos amigos e têm maior probabilidade de desenvolver uma perturbação de personalidade anti-social. Ou seja, também eles têm problemas emocionais que os acompanham para a vida (se não forem resolvidos).

Mesmo os observadores, ao perceberem a injustiça e ao não fazerem nada (e sentem que de certa forma compactuam com a situação), podem também ter consequências psicológicas futuras (como depressão, problemas de relacionamentos ou mesmo abuso de substâncias).

A mensagem aqui é clara: todos perdemos quando o bullying ganha e efetivamente não conseguimos prever até onde os problemas irão continuar no tempo. Assim, é importante agir e denunciar todas as situações que conheças, é importante falar com um adulto acerca da situação. Em Portugal, a APAV é a instituição que pode ajudar nestas situações.

Marcações: Escola, Família, Amigos, Violência, Pais, Bullying

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.