Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

A adolescência: Porque me sinto assim?

0
0
0
s2sdefault

Estou cansado de tudo. Já nem sei quem sou e o que quero ser. Mas que estou eu a fazer aqui? 

 

Vamos lá ver: não te falta nada. No grupo de amigos da tua idade comportas-te de modo alegre e despretensioso. E eis que, de improviso, aparecem as crises de desconforto. Crises verdadeiras que fazem sofrer. São momentos de angústia, quase de parto, que extraem a adolescência da infância. Momentos de barulhenta alegria seguidos de solitária melancolia que fazem com que te perguntem: Que tens? Estás doente? 

Passa-se demasiado tempo para encontrar uma imagem de si próprio, para conseguir um visual agradável aos próprios olhos e aos dos outros. As crises desencadeiam-se com uma palavra pouco gentil, o confronto com um amigo. Vem então tudo ao de cima. Ponto e parágrafo! Precisas tempo para perceber que a procura deve partir de dentro: do próprio corpo, do próprio carácter, da própria inteligência e sensibilidade.

O grupo de amigos...

Não ter amigos é como uma borboleta não ter asas. Mas, no meio dos amigos, é uma borboleta que bate contra uma lâmpada acesa. Sabes que está a representar, que não é verdadeira e fazes coisas que não sente. Aborrece-te neles o que te aborrece dentro de ti próprio. E talvez não penses que também os teus amigos andam à procura da própria imagem, como tu.

Ainda que seja normal teres estas dúvidas e confrontos com amigos, não te isoles. Com os amigos aprendemos sempre. Tens é de escolher o grupo de amigos adequado: aqueles que te respeitam e admiram pela tua essência e não pelo que tens, vestes ou bebes. 

Quero ser adulto, mas não quero ser responsável...

É normal que, no meio deste turbilhão de emoções, sintas uma certa saudade do tempo em que eras criança, em que não exigiam tanto de ti. Mas depois, consoante algumas atitudes pensas logo Já não sou uma criança! 

Choverá mas não será o dilúvio. Com algumas portas batidas com força por uma parte, e com alguns maus fígados por outra, os teus pais descobrirão que a sua criança cresceu, e tu na altura certa saberás que chegou a altura de DAR e não receber. 

E é a praticares esse verbo que as crises começam a acalmar.

Marcações: Valores, Família, Amigos, Adolescentes, Pais, Discussão

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.