Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Como é que pedes desculpa?

0
0
0
s2sdefault

Todos somos chamados a perdoar, independentemente de o sentirmos no nosso coração ou não. Quantas vezes pedimos desculpa mesmo com sentido?

 

1. Desculpa, mas. . .

Desculpa, mas tu é que começaste.

 Desculpa, mas se tu não tivesses falado comigo daquela forma, eu teria reagido de outra maneira. 

Desculpa, mas tive um dia mau. 

Sempre que adicionas "mas" depois de "desculpa", estás a criar uma desculpa para agir dessa maneira e colocas a culpa noutra pessoa, talvez na mesma pessoa a quem estás a pedir desculpa. Tomares consciência da responsabilidade das tuas ações é um passo importante para pedir desculpas e pedir perdão.

2. Foi sem querer!

Eu posso ser uma pessoa muito sarcástica, geralmente quero dizer algo que seja muito engraçado, mas às vezes o meu sarcasmo vai longe demais e chega a ser amargo. Outras vezes, sou sarcástica em relação a alguém que não interpreta bem o sarcasmo e fica magoado com as minhas palavras. "Obviamente eu estava a ser sarcástica", não corrige nenhum relacionamento e este tom e escolha de palavras afetam alguém. "Desculpa se as minhas palavras e o meu tom magoram-te, eu estava a ser sarcástica, mas percebo que fui longe demais", é um pedido de desculpas muito mais sincero.

3. O pedido de desculpas passivo-agressivo

Pronto, desculpa, * evita o contato visual, encolhe os ombros *

Claro, dizem-se as palavras que a pessoa queria ouvir. Mas tudo o resto comunicou que eu realmente não me interesso muito pela mágoa do outro.

4. Peço desculpa por fazer-te sentir assim / Desculpa se os meus sentimentos te magoaram

Este é o meu pedido de desculpas menos favorito, do qual tento ter consciência dos meus atos. Não peça desculpas pelos sentimentos de alguém. Os sentimentos são subjetivos. O que importa é que você machucou essa pessoa. Tu podes pedir desculpa pelo que fizeste sentir ou pela mágoa que causaste, mas repara que o único sujeito nestas frases és tu. Tu estás a desculpar-te para com outra pessoa e não com um sentimento. 

Reconciliação e perdão são partes importantes de qualquer relação. Ser capaz de admitirmos as nossas fragilidades e atitudes menos boas nem sempre é fácil e pode ser um ato de coragem. Da mesma forma, oferecer perdão às vezes pode ser doloroso e desafiador. Mas é tão libertador quando o fazemos, não achas?

Marcações: Perdão, Desculpa

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.