Nós e a Democracia

0
0
1
s2smodern

Ataques terroristas? Extremismos? Democracia? Globalização? Geopolítica? NATO? Que tenho a dizer? Diariamente, na televisão ou nas redes sociais, em família ou entre amigos, somos confrontados com muitas questões relacionadas com o mundo em que vivemos. Questões sobre a segurança e a defesa, a economia e as finanças, a saúde e a educação. São tantos os conceitos e tantas as opiniões que por momentos parecemos estranhos na nossa própria casa. No mundo que é a nossa casa.

A sociedade rege-se por um conjunto de relações entre os cidadãos, tem organismos e instituições, leis e valores. Mas o que é afinal a sociedade? Sempre foi como a conhecemos? A história ajuda-nos a ver que desde as sociedades primitivas até aos dias de hoje, a forma como nos relacionamos e vivemos em comunidade é algo complexo e fascinante. Na europa somos herdeiros da democracia grega, do direito romano, dos valores do cristianismo, da matemática dos árabes, da navegação dos fenícios, entre tantas outras culturas. Contudo, se fomos capazes de construir tantas maravilhas porque nos parece que o mundo está em guerra?

O conforto das nossas casas, das nossas escolas e das nossas relações de amizade podem levar-nos a esquecer a realidade das guerras e dos conflitos que vemos à nossa volta. Passou mais um dia. Houve mais um ataque terrorista, mais mortos e mais feridos. Afinal o que se passa? O que posso fazer? Uma filósofa do século XX chamada Hannah Arendt usou uma expressão que pode ajudar-nos a perceber a forma como lidamos com os fracassos da humanidade. A expressão é a banalização do mal. A banalização do mal é pensarmos que é normal o sofrimento e a guerra. A banalização do mal é cruzarmos os braços e ficarmos descansados porque isto não é nada comigo. A banalização do mal é sermos indiferentes aos conflitos que nos cercam.

Pensemos na história humana, o Homem desde que se conhece como um ser biológico, psicológico e cultural, é marcado por relações difíceis e conflituosas. Do homo sapiens ao homem dos dias de hoje houve sempre a necessidade da união. Unidos para a defesa e para a guerra. Que estranho! Os homens unem-se para se defenderem e unem-se para atacar. Os romanos e os mongóis, os incas e os egípcios, os alemães nazis e os comunistas russos, os fundamentalistas islâmicos, entre tantos, têm em comum a característica da guerra. Seja para aumentar o seu território à custa do vizinho, seja para lhe roubar aquilo que ele tem e é desejado. Sendo maior e mais rico podemos ser mais felizes. Será? Nas sociedades primitivas, nos grandes impérios, nos regimes totalitários e tantas vezes em nós, esta lógica é vencedora.

Ainda assim, se os homens unem-se para fazer a guerra, unem-se também para fazer a paz. É comum depois de grandes conflitos surgirem renovadas alianças como forma de reconstruir as ruínas. Por exemplo, depois da II Guerra Mundial houve a necessidade de reconstruir a Europa, criar laços e pontes, sonhar um futuro marcado pela esperança e pela paz. A ONU (Organização das Nações Unidas) foi criada em 1945 com o objectivo de promover a cooperação internacional, a segurança, a paz e os direitos humanos. A NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) surge em 1949 como aliança militar de vários países. A CEE (Comunidade económica europeia), hoje chamada União Europeia, estabelece-se 1957 para unir os povos e pelo desenvolvimento económico. A paz, a defesa e o desenvolvimento. São três objetivos que definem a capacidade de alianças por um mundo melhor.

Questiona-se hoje se estas organizações realizam a missão para as quais foram criadas. Promovem a paz ou promovem a guerra? Promovem a defesa ou são agentes de guerra? Ajudam-se economicamente ou vivem centradas no seu desenvolvimento? São perguntas que nos despertam e que nos fazem estar atentos. São perguntas difíceis mas que exigem de nós uma envolvência. Ser cidadão, é viver na cidade! Viver em democracia implica olhar a história, compreender os acontecimentos, questionar as razões da guerra, procurar soluções de paz.

Unidos em comunidade, vivendo a democracia, somos chamados a não banalizar o mal que nos rodeia. Somos chamados a ter uma voz activa e empenhada num mundo global. As relações entre os países e as relações que construímos podem mudar o rumo da história. Para uma história de paz ou para uma história de guerra.  

Marcações: Valores, ONU, democracia, Nato, Europa

0
0
1
s2smodern

Últimas Notícias

  • Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Santíssima Trindade

    Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Santíssima Trindade

    Para alguns, Deus é simplesmente algo misterioso. Para outros, é um velhote de barbas brancas sentado no Céu, que está bem longe do que se passa na Terra.

  • Como sei que é meu amigo?

    Como sei que é meu amigo?

    Espera, antes disso. Quais as qualidades e características que uma pessoa tem de ter para a considerares tua Amiga? A importância que quem está à tua volta tem na tua vida é determinante!

  • Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Domingo de Pentecostes

    Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Domingo de Pentecostes

    A paz recebida de Jesus transforma-se em missão. Outrora, o Pai confiara a Jesus uma missão (ser portador da salvação de Deus à nova humanidade); agora é Jesus que envia os seus a serem portadores desta mensagem de vida nova a todos os homens.

  • James Bay: Uma boa surpresa para a tua

    James Bay: Uma boa surpresa para a tua "playlist"

    "Sem expectativas" - é o meu lema para os concertos. No Domingo fui assistir ao concerto de Ed Sheeran, que contava com 3 concertos de abertura. Mais uma vez, fui sem expectativas, sem preparação. E fui surpreendida.

  • 7 factos sobre Ed Sheeran

    7 factos sobre Ed Sheeran

    No fim de semana em que o cantor vem a Portugal para dois concertos, damos-te a conhecer algumas curiosidades do cantautor inglês. 

  • Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Ascensão do Senhor

    Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Ascensão do Senhor

    Jesus sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia, e em seu nome serão pregados a todos os povos a conversão e o perdão dos pecados. São as últimas palavras de Jesus, o seu testamento. Agora somos nós que temos de continuar o Seu legado. Jesus confia-nos três tarefas, que se resumem em três elementos.

  • Filmes com

    Filmes com "cheiro a Verão"

    Férias de verão significa ir até à praia, piscina, estar o maior tempo ao sol. Com a escola quase a terminar, há muito tempo livre para ocupar, e porque não com filmes? Aqui vão algumas sugestões:

  • Uma ilha no Mediterrâneo formada por ... lixo?

    Uma ilha no Mediterrâneo formada por ... lixo?

    O mar mediterrâneo comunica-se com o Atlântico pelo Estreito de Gibraltar e banha incontáveis praias pitorescas do norte da África, da Europa e da Ásia, cobrindo uma área de aproximadamente 2,5 milhões de quilómetros quadrados.

  • Fake News: Como detetar

    Fake News: Como detetar "bots" no Twitter?

    "Marcus099875 retwittou..." Um nome seguido de vários números aleatórios pode ser uma indicação de bot no Twitter. Contudo, o padrão não é regra e é preciso aprofundar um pouco mais. Investigadores do site Recorded Future deram uma palestra sobre este fenómeno na Security Analyst Summit deste ano. A ideia é mostrar porque é que os bots são utilizados.

  • Há vida para além de

    Há vida para além de "A Guerra dos Tronos"?

    8 anos e 8 temporadas depois, "A Guerra dos Tronos" chegou ao fim este fim de semana. Mas, e agora? O que fazer ao tempo dedicado a esta série? Aqui vão algumas sugestões:

  • "Estou sempre a adormecer"

    Quantas vezes dás por ti a adormecer nas aulas? Seja por uma noite mal dormida ou uma tarefa entediante, estar constantemente a fechar os olhos a todo o momento não é algo agradável. Para ficar mais alerta e deixar a preguiça de lado, aqui vão algumas dicas. 

  • Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Domingo V da Páscoa

    Escuta, Arrisca e Vive a Palavra | Domingo V da Páscoa

    Judas sai para entregar Jesus. Quem fica, alimenta-se de Deus, através de Jesus. A saída de Judas da presença dos discípulos cria o ambiente para a intimidade com os seus. É o tempo da despedida, do testamento final.