Nós e a Democracia

0
0
1
s2smodern

Ataques terroristas? Extremismos? Democracia? Globalização? Geopolítica? NATO? Que tenho a dizer? Diariamente, na televisão ou nas redes sociais, em família ou entre amigos, somos confrontados com muitas questões relacionadas com o mundo em que vivemos. Questões sobre a segurança e a defesa, a economia e as finanças, a saúde e a educação. São tantos os conceitos e tantas as opiniões que por momentos parecemos estranhos na nossa própria casa. No mundo que é a nossa casa.

 

A sociedade rege-se por um conjunto de relações entre os cidadãos, tem organismos e instituições, leis e valores. Mas o que é afinal a sociedade? Sempre foi como a conhecemos? A história ajuda-nos a ver que desde as sociedades primitivas até aos dias de hoje, a forma como nos relacionamos e vivemos em comunidade é algo complexo e fascinante. Na europa somos herdeiros da democracia grega, do direito romano, dos valores do cristianismo, da matemática dos árabes, da navegação dos fenícios, entre tantas outras culturas. Contudo, se fomos capazes de construir tantas maravilhas porque nos parece que o mundo está em guerra?

O conforto das nossas casas, das nossas escolas e das nossas relações de amizade podem levar-nos a esquecer a realidade das guerras e dos conflitos que vemos à nossa volta. Passou mais um dia. Houve mais um ataque terrorista, mais mortos e mais feridos. Afinal o que se passa? O que posso fazer? Uma filósofa do século XX chamada Hannah Arendt usou uma expressão que pode ajudar-nos a perceber a forma como lidamos com os fracassos da humanidade. A expressão é a banalização do mal. A banalização do mal é pensarmos que é normal o sofrimento e a guerra. A banalização do mal é cruzarmos os braços e ficarmos descansados porque isto não é nada comigo. A banalização do mal é sermos indiferentes aos conflitos que nos cercam.

Pensemos na história humana, o Homem desde que se conhece como um ser biológico, psicológico e cultural, é marcado por relações difíceis e conflituosas. Do homo sapiens ao homem dos dias de hoje houve sempre a necessidade da união. Unidos para a defesa e para a guerra. Que estranho! Os homens unem-se para se defenderem e unem-se para atacar. Os romanos e os mongóis, os incas e os egípcios, os alemães nazis e os comunistas russos, os fundamentalistas islâmicos, entre tantos, têm em comum a característica da guerra. Seja para aumentar o seu território à custa do vizinho, seja para lhe roubar aquilo que ele tem e é desejado. Sendo maior e mais rico podemos ser mais felizes. Será? Nas sociedades primitivas, nos grandes impérios, nos regimes totalitários e tantas vezes em nós, esta lógica é vencedora.

Ainda assim, se os homens unem-se para fazer a guerra, unem-se também para fazer a paz. É comum depois de grandes conflitos surgirem renovadas alianças como forma de reconstruir as ruínas. Por exemplo, depois da II Guerra Mundial houve a necessidade de reconstruir a Europa, criar laços e pontes, sonhar um futuro marcado pela esperança e pela paz. A ONU (Organização das Nações Unidas) foi criada em 1945 com o objectivo de promover a cooperação internacional, a segurança, a paz e os direitos humanos. A NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) surge em 1949 como aliança militar de vários países. A CEE (Comunidade económica europeia), hoje chamada União Europeia, estabelece-se 1957 para unir os povos e pelo desenvolvimento económico. A paz, a defesa e o desenvolvimento. São três objetivos que definem a capacidade de alianças por um mundo melhor.

Questiona-se hoje se estas organizações realizam a missão para as quais foram criadas. Promovem a paz ou promovem a guerra? Promovem a defesa ou são agentes de guerra? Ajudam-se economicamente ou vivem centradas no seu desenvolvimento? São perguntas que nos despertam e que nos fazem estar atentos. São perguntas difíceis mas que exigem de nós uma envolvência. Ser cidadão, é viver na cidade! Viver em democracia implica olhar a história, compreender os acontecimentos, questionar as razões da guerra, procurar soluções de paz.

Unidos em comunidade, vivendo a democracia, somos chamados a não banalizar o mal que nos rodeia. Somos chamados a ter uma voz activa e empenhada num mundo global. As relações entre os países e as relações que construímos podem mudar o rumo da história. Para uma história de paz ou para uma história de guerra.  

Marcações: Valores, ONU, democracia, Nato, Europa

0
0
1
s2smodern

Últimas Notícias

  • 4 filmes para ver no Dia do Pai

    4 filmes para ver no Dia do Pai

    No Dia do Pai, nada melhor que um "serão cinematográfico" para celebrar todo o amor que recebes do teu pai. Deixamos-te algumas sugestões de filmes para veres neste dia especial.

  • Mindfulness: Como é que nos pode ajudar na escola?

    Mindfulness: Como é que nos pode ajudar na escola?

    Já muito se diz sobre o quão acelerados são os tempos em que vivemos. Além da distração,os mesmos aumentam os níveis de stress e ansiedade. Neste sentido, investigadores do Reino Unido debruçaram-se sobre como a meditação e o mindfulness pode contornar estes sintomas.

  • Escuta, Arrisca e Vive a Quaresma! | Domingo II da Quaresma

    Escuta, Arrisca e Vive a Quaresma! | Domingo II da Quaresma

    Depois de ter anunciado o Evangelho na Galileia, Jesus vai a caminho de Jerusalém. Como preparação para esta nova etapa da sua vida, começa a rezar. Sobe a um monte, o lugar de encontro com Deus. Leva consigo os seus discípulos de mais confiança: Pedro, João e Tiago.

  • As cores da Quaresma

    As cores da Quaresma

    Na quaresma a cor litúrgica predominante é o roxo. Mas também se usa o rosa. E porque é que nas festas se usa o branco? Quantas cores há na liturgia afinal?

  • Síndrome do pensamento acelerado: será que o tens?

    Síndrome do pensamento acelerado: será que o tens?

    Provavelmente já ouviste alguma pessoa mais velha da tua família a começar uma frase com a expressão “No meu tempo..." Este padrão nostálgico tem a ver com o facto de que tudo, tudo mesmo, muda a uma velocidade absurda. Queres um exemplo? As pessoas nascidas nos anos 80 ou antes disso têm lembranças nítidas de como era a vida sem internet, sem redes sociais e, inclusive, sem telemóvel.

  • Quaresma - dar a vida em esmola

    Quaresma - dar a vida em esmola

    Depois de termos aprofundado o sentido do jejum hoje falamos sobre a segunda “arma” que a Igreja nos aconselha para vencer o pecado neste tempo da quaresma: a esmola.

  • Moda: cada vez mais pessoas escolhem marcas amigas do ambiente

    Moda: cada vez mais pessoas escolhem marcas amigas do ambiente

    Não é segredo nenhum que a indústria da moda é a que mais contribui para a poluição do nosso planeta. Entre aterros acumulados com roupas deitadas fora, toneladas de água desperdiçada usadas para tingir tecidos todos os dias e microfibras prejudiciais que são colocadas nos oceanos, a necessidade de grandes mudanças nunca foi tão grande.

  • Histórias para Crescer: A Palmeira e a Pedra

    Histórias para Crescer: A Palmeira e a Pedra

    Ben Sadok não tinha um caráter fácil. Tinha sobretudo o vício de destruir tudo o que de belo e bom via à sua volta.

  • O que é isso do

    O que é isso do "Momo Challenge"?

    A não ser que andes a viver numa toca, de certeza que tens sido bombardeado com uma imagem de uma boneca assustadora, a entupir o teu feed no instagram, aterrorizando-te no Twitter ou no facebook. Bem-vindo ao Desafio MOMO.

  • Vem aí uma série sobre

    Vem aí uma série sobre "O Senhor dos Anéis"

    Se antes os nossos pais tinham de comprar pacotes de canais televisivos da mesma operadora, hoje temos de pedir para aderir a mais do que um serviço de streaming. A Amazon Prime está a preparar uma das séries mais caras de sempre - Senhor dos Anéis. 

  • 40 dias de “penitência”… porquê tanto tempo?

    40 dias de “penitência”… porquê tanto tempo?

    Há pouco tempo acompanhei uma missão juvenil e um dos missionários perguntou-me, mais ou menos com estas palavras: “Não se podia resolver isto da preparação para a Páscoa mais depressa? Sei lá…uma novena (9 dias) ou um tríduo (3 dias)?”. Eu respondi exatamente com estas palavras: “poder, podia…mas não era a mesma coisa!”

  • Escuta, Arrisca e Vive a Quaresma! | Domingo I da Quaresma

    Escuta, Arrisca e Vive a Quaresma! | Domingo I da Quaresma

    O deserto é um lugar misterioso, onde tanto a sobrevivência como a morte caminham lado a lado. Um lugar desafiante, onde também Deus conduz os profetas para lhes poder falar ao coração, onde caminha com o povo hebreu, partilhando a sua vida.