Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Asia Bibi: A coragem de acreditar!

0
0
0
s2sdefault

Em 2010, Asia Bibi foi condenada à morte por alegadamente ter insultado o profeta Maomé e o Islão durante uma discussão com colegas de trabalho; depois de passar nove anos numa solitária, a jovem acabou por ser posta em liberdade e mudou-se para o Canadá. 

 

Asia Bibi, agora com 48 anos, deixou a casa que dividia com o marido e os filhos e foi trabalhar numa fazenda na aldeia de Ittanwala, a cerca de 60 km de Lahore, cidade importante do Paquistão. O local onde trabalhava é cercado de campos verdes e árvores frutíferas.

Asia trabalhou como agricultora, como muitas mulheres da aldeia. Era um dia de junho de 2009 e os trabalhadores, exaustos após horas a apanhar fruta, pararam para descansar. Alguém pediu a Asia que fosse buscar um bocado de água.

Com o jarro na mão e cheia de sede, bebeu um bocado de água antes de servir os seus colegas muçulmanos. Resultado: fúria total!

No Paquistão muitos muçulmanos conservadores não gostam de comer ou beber com pessoas de outras religiões. Para eles, quem não acredita em Alá é impuro. Os colegas de Asia disseram que ela era "suja" e não era digna de beber do mesmo copo. 

Cinco dias depois, a polícia invadiu a casa de Asia, acusando-a de insultar o profeta Maomé. À porta de casa, uma pequena multidão começou a agredi-la, e Asua acabou por ser presa sob acusação de blasfêmia. Durante o julgamento, em 2010, Asia afirmou estar inocente, mas acabou por ser sentenciada à morte.

No Paquistão, a punição por blasfémia contra o Islão e o seu profeta pode ser a prisão perpétua ou a morte. Mas muitas vezes essas acusações são utilizadas como forma de vingança por conflitos pessoais. 

Asia passou os últimos nove anos no corredor da morte. Mas, depois de uma intensa mobilização social, conseguiu reverter a sentença e foi absolvida em outubro de 2018.

Ainda assim, custou a ganhar a liberdade. Foi mantida num lugar secreto durante meses por causa de ameaças de morte. Agora, as autoridades paquistanesas confirmam que Asia está no Canadá, totalmente segura.

No entanto, a família de Asia - o marido e as duas filhas - vivem escondidos, a fugir da revolta social que a libertação de Asia causou. 

Marcações: JOvens, Valores, Crescer, Testemunho

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.