Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Notice: Trying to access array offset on value of type int in /home/www/html/templates/yoo_bento/warp/src/Warp/Config/Repository.php on line 243

Trump: tem mesmo poder?

0
0
0
s2sdefault

Com a visita do presidente americano ao Vaticano, pode dizer-se que as imagens dizem de facto mais que palavras. Mas então, se a grande maioria apoiava a filosofia política do Obama, se não se consegue estar indiferente aos acontecimentos do momento, como é que o presidente Trump foi eleito num país que se diz a maior potência do mundo? Quão perigoso é ter Trump como presidente dos EUA?

 

Pode dizer-se que é uma verdade (quase) internacionalmente aceite que a maioria dos cidadãos com acesso a informação tem saudades do Obama. Antes de mais, a dimensão geográfica dos EUA justifica a ampla diversidade de estilos de vida, formas de pensamento, valores e níveis de educação, ao ponto de, entre estados, a legislação ser completamente diferente.

Como os Estados Unidos são um país relativamente recente, o seu governo também o é. Na criação da Constituição, os fundadores tinham sempre em mente um regime político que evitasse uma possível ditadura. Mesmo que alguém com tendências autoritárias fosse eleito, existiam duas opções: ou essa pessoa não ganhava as eleições ou, no caso de isso acontecer, teria poderes limitados.
O governo está dividido em três ramos: o ramo legislativo, o ramo executivo e o ramo judicial. O Trump faz parte do ramo executivo. O Presidente pode aprovar a lei que o poder legislativo tenha apresentado e pode assinar as famosas Ordens Executivas, que podem ser rejeitadas pelo poder judicial ou até mesmo o legislativo (por exemplo, o Obamacare demorou o triplo do tempo a ser implementado devido a isto).

De uma forma muito simples, o principal papel do presidente americano é o de governar o exército , tentar manter a ordem e fomentar relações internacionais. Também pode o presidente escolher juízes para o Supremo Tribunal. No entanto, estas nomeações têm de ser avaliadas e confirmadas pelo poder judicial.


O que torna neste momento o cenário um pouco preocupante é o facto de o Senado e a Casa de Representantes (poder legislativo) serem maioritariamente republicanos – partido pelo qual Donald Trump se candidatou. Preocupante no sentido em que apoiam certas atitudes e ações do Presidente Trump, em detrimento de o manter na Casa Branca. Atitudes e ações que podem ter derradeiras consequências no futuro e na mensagem moral que os Estados Unidos dizem passar. 

O partido republicano em si é um partido conservador, tanto a nível fiscal como moral. Tendo a oportunidade de estar nos EUA durante seis meses, percebi que as pessoas recebem informações de diversas fontes, algumas delas não muito confiáveis. Por exemplo, muitos republicanos não tinham o conhecimento que Obamacare e Afordable Care Act eram a mesma coisa. Muitos usufruem desse novo sistema de saúde, mas afirmavam-se contra o Obamacare por ser uma lei do Presidente Obama.

Ora, agora que os Republicanos e o Presidente Trump passaram a lei American Health Care Act, alguns republicanos que apoiam os seus congressistas republicanos, estão a ver-se sem seguro de saúde por diferentes motivos.
É por isso que um dos grandes desafios deste presidente americano é mesmo a diversidade que falava há pouco. Por mais que os Politicos Republicanos queiram o Trump na Presidência, acima disso, querem-se a si mesmos no Senado e na Câmara dos Representantes. E, se as pessoas fizerem pressão suficiente e agirem, depois das eleições de 2018 (Para o Senado e Casa dos Representante) pode-se ver uma alteração na forma como os Republicanos lidam com o Presidente Trump. Esta alteração pode diminuir o nivel de perigo do Presidente, porque também pode diminuir o nível de apoio que ele tem.

Assim, o poder do Presidente Trump está intrinsecamente ligado ao ramo legislativo atualmente. O poder judicial, claramente, já fez a sua posição conhecida. Os ramos do governo existem para se controlarem uns aos outros, para controlar o poder e tentar limitar as decisões irracionais ou, pelo menos, mesmo quando as decisões são tomadas, que elas impliquem consequências no final do dia.
O Presidente Trump pode parecer descontrolado, mas no fundo é tudo Tweets e discursos. Quem está a tomar as efetivas decisões e a controlar são os seus parceiros e o poder legislativo. O seu maior poder são as palavras que usa e o quão desestabilizadoras poderão ser. Mas aí cabe a cada um de nós, ouvir ou não.

Marcações: EUA , Trump, Política, Internacional, Obama, Poder

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

  • Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    Sexta-Feira Santa: O dia do silêncio

    A celebração de Sexta-Feira Santa é a mais original de todas as da Liturgia romana: Não há eucaristia. O silêncio, o jejum, a oração, as devoções tradicionais, sobretudo as que ajudam a meditar e orar o mistério da cruz, elemento central deste dia ... 

  • Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Quinta-Feira Santa: A melhor lição de Jesus

    Com a missa da Ceia do Senhor começa o Tríduo Pascal da morte, sepultura e ressurreição do Senhor. São João dá-nos a chave de tudo o que vivemos: "Amou-nos até ao extremo". 

  • Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    Nos passos de Jesus: A fome no mundo

    A nossa proposta de reflexão de hoje centra-se nas milhares de pessoas que passam fome no mundo. Hoje propomos-te os números da fome no mundo. O que podemos nós fazer para inverter esta situação? 

  • O meu pai é o melhor do mundo!

    O meu pai é o melhor do mundo!

    É a maior frase feita do mundo, já sabemos. Infelizmente, contudo, nem toda a gente tem a felicidade de ter um pai tão fixe como os nossos. É por isso que hoje decidimos agradecer a todos os pais fixes do mundo. 

  • Como lidar com

    Como lidar com "bullies"?

    Se estás a ser vítima de "bullying", há muito que podes fazer. Enquanto táticas diferentes funcionam para pessoas diferentes, lembra-te que nunca estás sozinho.

  • Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos passos de Jesus: A vida no Hospital

    Nos hospitais também há crianças e adolescentes. Os acidentes ou as doenças não escolhem idades. Vale a pena dialogar acerca do que é a vida no hospital.

  • Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Imigrantes: o que posso aprender com eles?

    Portugal tem sido um país de acolhimento de variadas culturas. Motivações económicas e políticas são as principais causas para muitas pessoas largarem aquilo que conhecem como casa, como lar. O que podemos aprender com estas histórias de vida?

  • 5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    5 factos sobre o Dia Internacional da Mulher

    Há mais de 100 anos que o dia 8 de março ficou conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Ainda que tenha diferentes significados em vários pontos do globo, hoje é preciso fazer mais do que publicar uma foto com uma hashtag catita.

  • Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Nos passos de Jesus: perseguidos pela fé

    Segundo o relatório sobre a Liberdade Religiosa no mundo, a Fundação da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), 20% dos países do mundo não respeitam a liberdade religiosa.

  • O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    O meu amigo está a experimentar drogas, o que posso fazer?

    Hoje a nossa proposta de reflexão é a da liberdade dos vícios. São situações muito difíceis de gerir e às quais temos de ter um grande nível de empatia e compreensão. 

  • Sábado Santo: O dia do

    Sábado Santo: O dia do "nada"

    A celebração de Sábado Santo consiste em não ter celebrações. 

  • Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Nos passos de Jesus: O que posso fazer pelos refugiados?

    Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, no final de 2017, estavam deslocadas contra a sua vontade 68,5 milhões de pessoas em todo o mundo, em resultado de guerras, conflitos armados ou violação dos direitos humanos.